O LADO OBSCURO DOS HOMENS

Quisera ter o hábito saudável de ler mais livros, revistas, jornais ou acompanhar mais os meios confiáveis de comunicação. Isso me colocaria num patamar tolerável com mais clareza e não seria incomodado com falsas promessas, mentiras e ilusões. Seria capaz de desvendar e entender o lado oculto dos homens, seus anseios, dúvidas, crenças, medos e ressentimentos, entretanto as atribuições do dia-a-dia nos tornam muitas vezes egoístas a ponto de olharmos somente nossos interesses.

Então, ficamos à mercê de cada pessoa que encontramos, tornando-nos cautelosos, até mesmo quanto a nossa própria capacidade. Consequências prováveis da evolução, pois é muito mais fácil confiar em algo fora de si do que em si mesmo e nem percebemos isso.

A diferença que separa uma pessoa bem informada e bem-sucedida de outra sem tanto sucesso, é a confiança. A falta dessa confiança nos faz acreditar que somos pequenos e limitados, então criamos uma barreira artificial; refugiamo-nos em templos, igrejas, seitas, religiões ou outros meios externos para nos proteger, enquanto tais enganos recaem em nós mesmos. Recitamos versículos como uma forma de atribuir a outrem aquilo que não somos capazes de realizar. Grande ilusão!

Esta ilusão nos oferece todas as justificativas e desculpas para não fazer algo ou para recuarmos frente a determinadas situações. Na verdade, somos tão magistrais e brilhantes ao se enganar e iludir que tal ilusão se torna real e verdadeira. Quando nos iludimos acerca de quem somos, isto se torna a nossa realidade. Ficamos vulneráveis, fracos a ponto de atribuir a Deus tudo o que acontece conosco, seja ela boa ou ruim, acreditamos ser este o único e verdadeiro caminho e conformamo-nos com as fraquezas, culpas e derrotas geradas por nos mesmos.

Para justificar essas fraquezas, o homem primitivo, enraizou em sua consciência a dependência religiosa, medos de tal forma que tais sentimentos perpetuam até nossos dias. Deus não criou igrejas, muito menos religiões. Ele criou o homem a sua imagem e semelhança e mostrou-lhes dois caminhos; o da verdade, o da justiça e a do bem; o outro caminho é o da mentira, do mal e o da hipocrisia.

Se Deus já tivesse traçado o caminho de cada indivíduo e determinado todos seus atos, então para que teria colocado o homem no mundo? Mas Ele fez o contrário; deu ao homem o livre-arbítrio, ou seja, deu-lhes a capacidade de tudo decidir, estando completamente livre para escolher seu próprio destino, nada seria fixo, sendo tudo relativo.

Isso não os tornaria sábio, mas nos deixaria livre para escolher os verdadeiros amigos, livres para afastarmo-nos da hipocrisia visíveis que nos cercam e decepcionam; dos mal intencionados, gananciosos e escravizados pela ignorância. Estaríamos atentos as mentiras, falsidades e compreenderíamos melhor nossos semelhantes. Iríamos compartilhar o que sabemos e aprender melhor o que ensinamos.

Eis o porquê “do querer saber mais”, do instruir-se, do conhecer com mais profundidade tudo e todos que nos cercam, com certeza estaremos longe da ignorância, da hipocrisia e da alienação em relação ao mundo em que vivemos.

Irmão José Newton Portugues
ARELS – Gen∴ Osório – Or∴ Tramandaí -RS
Publicado no Informativo Chico da Botica 090 de 31/07/2015, disponível em https://bancadosbodes.com.br/chico-da-botica-no-90-31-de-julho-de-2015/

~ por Banca dos Bodes em 05/06/2020.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

 
Bruxo de Lua

"Ambularet per pænumbra."

Bnei Baruch Monterrey

Auténtica Sabiduría de la Kabbalah

symbolreader

Sharing My Love of Symbols

Sinagoga Ohel Jacob e Comunidade Hehaver

Site oficial sinagoga Ohel Jacob. Judaísmo Liberal em Lisboa. Única sinagoga askenazi em Portugal, 1934. Visitas guiadas, shabat e celebração de festividades.

Cabala sem Fronteiras

by Vinícius Oliveira

Selo 144

A VERDADE UNILATERAL

%d blogueiros gostam disto: