Monumento Maçônico a José Bonifácio de Andrada e Silva.

 

JOSÉ BONIFÁCIO E A MAÇONARIA (*) .
Há cêrca de trezentos anos, por volta de 1688, surge, na In-
glaterra, uma sociedade secreta, organizada pelas principais
personalidades do Parlamento inglês para colocar, como colo-
caram, no trono da Grã-Bretanha, Guilherme de Orange, holan-
dês de nascimento. Êsse movimento político extingue a dinas-
tia de direito divino, substituída pela dinastia de direito consen-
tido. Daí em diante, a Maçonaria Azul, como é conhecida a Ma-
çonaria inglêsa, defende a Monarquia da Grã-Bretanha. O Prín-
cipe de Gales é sempre o Grão-Mestre da referida sociedade se-
creta com objetivos políticos. Deixa o grão-mestrado quando
ascende ao trono, para ser o Rei da Inglaterra . E na obra inti-
tulada A Maçonaria na Independência do Brasil, de minha au-
toria e de Manuel Rodrigues Ferreira, estudamos o assunto em
extensão e profundidade.
Desde o comêço de 1700 as lojas maçônicas aparecem na
França, depois na Espanha e em Portugal, filiadas à Grande
Loja de Londres. Já em meados do século XVIII surgem os ilu-
ministas, na Alemanha. A esta sociedade secreta de intelectuais
filiam-se os iluministas italianos e portuguêses. Do iluminismo
católico à cripto-maçonaria a distância é pequena. Maçons e
iluministas permutavam sinais, toques, gestos. Encobriam-se
para se descobrirem. Recorriam a vocabulário próprio. E as-
sim davam-se a conhecer entre conhecidos.
O século XVIII foi a centúria dos disfarces, dos dominós,
das máscaras românticas. Foi, “como poucos, escreve o Profes-
sor Cabral Moncada, da Universidade de Coimbra, em sua obra
Luís Antônio Ver-
Um iluminista português do século XVIII
ney, um século de mistério, de insinceridade, de intrigas, de
anonimato, de pseudônimos, usados pelos homens ilustres…
Muitos dos intelectuais de. Setecentos eram, freqüentemente,
como que participantes num baile de máscaras, com “loup” e

(•), — Palestra proferida na Rádio Atlântica, de Santos, em 14 de maio de
1963 (Nota da Redação).172 —
dominó, que quase sempre falsificavam a voz, quando falavam
baixinho e só em segrêdo”
Neste século, a 13 de junho de 1763, nesta cidade de Santos,
há duzentos anos, nasce o luso-brasileiro José Bonifácio de An-
drada e Silva. Feito o curso de humanidades com o bispo D.
Manuel da Ressurreição, o adolescente segue para as margens
do Mondego, em Portugal, onde se matricula na Universidade
de Coimbra. In illo tempore, naquele tempo, já a Universidade
era a sementeira de iluministas católicos portuguêses filiados à
Maçonaria. E a Maçonaria já está dividida em duas ordens: a
Maçonaria “Azul”, monarquista constitucionalista, e a Maço-
naria “Vermelha”, republicana constitucionalista. Iniciado na
Maçonaria, ainda na Universidade de Coimbra, José Bonifácio
formaria na ordem dos “Azuis”, conforme sua formação monár-
quica. E monarquista seria para o resto da vida.
Nessas condições, como professor da Universidade de Coim-
bra, comanda o batalhão acadêmico e luta contra os franceses
em 1808. E tempo adiante, como chefe de polícia da cidade do
Pôrto, vai reprimir, com pulso de ferro, as atividades políticas
dos republicanos, chamados então anarquistas ou carbonários.
Aposentado no cargo de catedrático de Mineralogia da Uni-
versidade de Coimbra, regressa à terra natal, ao seu pôrto de
Santos, quando o rumo tomado pelos acontecimentos políticos
o envolvem, o arrastam e projetam na crista da situação nacio-
nal, como vanguardeiro do movimento. Vice-presidente da Pro-
víncia de São Paulo, em fins de 1821, condestável da Indepen-
dência em 1822. Já em fins de 1821 a Maçonaria Brasileira es-
tava dividida em duas ordens: a “Azul” e a “Vermelha”. A
Grande Loja da Maçonaria “Azul” tem sua sede em São Paulo.
Nela se firma, se alicerça, se apruma José Bonifácio. No Rio
de Janeiro funcionam, então, já separadas, as Lojas da Maço-
naria “Azul” e da Maçonaria “Vermelha” . Esta chefiada por
Joaquim Gonçalves Ledo, Cônego Januário da Cunha Barbo-
sa, José Clemente Pereira, entre outros. Aquela tinha à sua
frente José Joaquim da Rocha, José Mariano de Azeredo Cou-
tinho, Antônio e Luís de Meneses Vasconcelos Drummond, Pe-
dro Dias Paes Leme, entre outros. Não havia nítida separação
entre os irmãos maçons: muitos de tendência “vermelha”, isto
é, republicanos, achavam-se nas lojas “Azuis”, rente aos monar-
quistas, e vice-versa. Outros faziam-no por espionagem. Mes-
mo assim encontramos um ou outro irmão “Vermelho” em lo-
ja “Azul”, ou irmão “Azul” em loja “Vermelha”, porque isso
interessava ao jôgo político. E sômente quando a luta explodia— 173 —
com violência, a polícia prendia os adversários, é que os elemen-
tos apareciam na sua convicção maçônica: perseguidos ou perse-
guindo.
De início, o pensamento dos maçons “Azuis” era manter
a unidade da Monarquia Portuguêsa formada pelos Reinos
unidos do Brasil, Portugal e Algarves. José Bonifácio e seus
companheiros tiveram de abandonar essa idéia, em face da
pressão cada vez mais viva dos “Vermelhos”. Estes lutavam
para estabelecer a República em cada Província do Reino do
Brasil, como haviam feito os espanhóis com a América Espa-
nhola . San Martin, maçon “Azul”, ainda tentou convencer Bo-
livar, maçon “Vermelho” . E o libertador “Vermelho” esfa-
rela a América Espanhola em Repúblicas de expressão geográ-
fica
O exemplo estava diante dos olhos de José Bonifácio. Ele
verifica, desde o início, como as lojas maçônicas vermelhas,
do Rio de Janeiro a Belém do Pará, estão filiadas à Loja “Ver-
melha” de Lisboa. Os irmãos “Vermelhos” de Lisboa haviam
se assenhoreado das Côrtes Portuguêsas. De Lisboa enviam or-
dens aos irmãos “Vermelhos” do Rio de Janeiro, da Bahia, de
Recife, de Fortaleza, de São Luís do Maranhão e de Belém
do Pará, onde as Juntas Governativas estavam nas mãos dos
“Vermelhos”. Em cada uma dessas Províncias, inclusive na
de Minas Gerais, fazia-se a propaganda republicana aberta-
mente. Sonhava-se com a República do Pará, a República do
Maranhão, a República do Ceará, a República de Pernambu-
co, a República da Bahia, a República do Rio de Janeiro e a
República de Minas Gerais. Apenas São Paulo e o Rio Gran-
de do Sul ligam-se num só pensamento: a unidade da Monar-
quia, a unidade da Pátria Brasileira. E o paladino desta idéia,
o condestável da unidade nacional com Monarquia, é José Bo-
nifácio .
As Côrtes de Lisboa, em julho de 1822, processam o imor-
tal santista e o Senado da Câmara de Vereadores de São Pau-
lo, por serem adversários do pensamento dominante na Maço-
naria “Vermelha” cuja maioria quer a fragmentação do Reino
do Brasil em vinte Repúblicas. José Bonifácio tem o pressen-
timento do futuro. À frente de seus amigos apanha o instante
político, pela frente e no momento preciso. Os “Vermelhos”
haviam iniciado o Príncipe Regente D. Pedro na sua loja. Jo-
sé Bonifácio leva D. Pedro à loja dos “Azuis”. E assim, o
futuro Imperador é colocado na encruzilhada histórica.— 174 —
Daí em diante, ciente dos ideais republicanos dos maçons
“Vermelhos”, o Príncipe não hesita. Forma ao lado e junto
de José Bonifácio. São os “Azuis” os campeões da unidade
pátria. São Paulo era o reduto da Monarquia. E nesse reduto,
às margens do Ipiranga, devia ser hasteada a bandeira da se-
paração do Reino do Brasil da Monarquia Portuguêsa, para a
formação do Império Brasileiro.
José Bonifácio, Condestável da unidade pátria, coloca a
bandeira da Independência nas mãos de D. Pedro. Assim, o Pa-
triarca da Independência e o criador do Império, fundem os
seus ideais de unidade, continuidade e solidariedade históri-
cas. A Monarquia Portuguêsa, com sete séculos de existência,
se prolongava na Monarquia Brasileira. Da mesma forma, a
unidade lusitana aferrolhava a unidade brasileira. E José Bo-
nifácio era o homem providencial da unidade pátria, graças
aos “Azuis” da Maçonaria.
O pensamento da unidade pátria, da Pátria Brasileira al-
vorecente, germinara e amadurecera no espírito de José Bo-
nifácio para desabrochar e florescer na coragem, na palavra e
na ação de D. Pedro, na colina do Ipiranga, junto à cidade de
São Paulo, a fim de ser completada na Bahia, a 2 de julho de
1823. E bem compreenderam os maçons “Azuis” da Província
da Bahia, o significado e o alcance do patriotismo do Condes-
tável da Unidade Brasileira, ao elegê-lo, por duas vêzes, Depu-
tado pela terra baiana, com assento na Assembléia do Império.
Santos, o berço do Patriarca da Independência, o maior
estadista das Américas no século XIX, por uma destas notáveis
coincidências comemora, neste ano da graça do Senhor de
1963, duas datas fundamentais da História Luso-brasileira.
A primeira é o quarto centenário do Tratado de Iperoig, o pri-
meiro Tratado de Paz celebrado nas Américas. Daqui saíram,
naquele ano remoto de 1563, na embarcação de José Adorno,
rumo a Iperoig, no litoral paulista, o Padre Manuel da Nóbre-
ga, Bandeirante de Deus no Brasil, na expressiva frase do Pa-
pa João XXIII, e o Irmão José de Anchieta. E o Tratado de
Paz concluído pelo Padre Manuel da Nóbrega, em nome da
Monarquia Portuguêsa, com o chefe tamoio Cunhambebe, em
nome dos brasilíndios de sua tribo, constitui o alicerce da uni-
dade geográfica e histórica do Estado do Brasil, levantado pe-
las mãos benditas do lusíada Padre Manuel da Nóbrega, o
maior estadista luso-brasileiro do século XVI, e do cacique
brasilíndio Cunhambebe.— 175 —
Duzentos anos mais tarde, em 1763, nasce na cidade de
Brás Cubas, na soleira da porta aberta ao mar, José Bonifá-
cio de Andrada e Silva, o homem providencial a quem estava
reservada a alta missão de completar a obra nacional do Padre
Manuel da Nóbrega, fundador de São Paulo, solidificando-a .
Ambos eram filhos da Universidade de Coimbra onde se for-
maram em Direito e Filosofia. Ambos tinham o sentido nacio-
nal de Pátria . E ambos deram-se as mãos por cima dos sé-
culos, no encôntro fraternal do pensamento e do espírito di-
namizados pela mesma idéia-fôrça de criar e legar-nos, para
o todo sempre, a nossa Pátria — a Pátria Brasileira.
TITO LíVIO FERREIRA
do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo.

~ por Rosemaat Abiff em 12/08/2020.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

 
Bruxo de Lua

"Ambularet per pænumbra."

Bnei Baruch Monterrey

Auténtica Sabiduría de la Kabbalah

symbolreader

Sharing My Love of Symbols

Sinagoga Ohel Jacob e Comunidade Hehaver

Site oficial sinagoga Ohel Jacob. Judaísmo Liberal em Lisboa. Única sinagoga askenazi em Portugal, 1934. Visitas guiadas, shabat e celebração de festividades.

Cabala sem Fronteiras

by Vinícius Oliveira

Selo 144

A VERDADE UNILATERAL

%d blogueiros gostam disto: